ActualidadeAmbiente

Antigo secretário de Estado do Ambiente defende que lítio não vai ser a solução mas sim o hidrogénio verde

Para o ex-governante e professor universitário Joaquim Poças Martins, “o lítio não vai ser a solução” para o armazenamento de energia, essencial para a descarbonização e “tudo aponta para que seja mais o hidrogénio do que as baterias”.

“Não se pode destruir uma montanha para tirar meia dúzia de quilos de lítio. Até porque o lítio não vai ser a solução. As baterias não vão ser a solução, não é possível, não há materiais suficientes na Terra para esse efeito. Estou a pensar mais no hidrogénio. A forma de armazenar energia, tudo aponta que seja mais o hidrogénio do que as baterias”, afirmou o ex-secretário de Estado do Ambiente.

O diretor da Secção de Hidráulica, Recursos Hídricos e Ambiente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e secretário-geral do Conselho Nacional da Água diz que não acredita “nas baterias como solução”, porque “com meia dúzia de carros elétricos, já não há baterias”.

“Daqui a meia dúzia de anos, vamos ter aí um problema grave, e não é o lítio que o vai resolver”.

Por outro lado, “o chamado hidrogénio verde pode ser produzido e, quando arde, o produto final é água, em vez de CO2 [dióxido de carbono]”.

“É a minha convicção que, de facto, a energia é talvez o grave problema, um dos principais problemas, que vêm aí para o futuro, mas que é certamente parte da solução. O mundo de energia abundante e segura, e barata, vai permitir que muito mais pessoas estejam na Terra, em todos os lados, e que vivam melhor. Isso não vem das soluções atuais”.

Tudo aponta para que o hidrogénio verde seja a solução energética do futuro
Imagem DR

Até mesmo em relação ao hidrogénio, “a tecnologia ainda está em maturação, ou seja, o desenvolvimento industrial em larga escala de hidrogénio verde em que se usa, por exemplo, a energia solar em abundância para produzir hidrogénio, e usa-se quando não há sol”.

O especialista diz que “tudo aponta” para um recurso cada vez maior à “energia fotovoltaica e à energia eólica offshore, do género do que há em Viana do Castelo, com turbinas muito maiores, mas, sobretudo, energia do sol”.

“A ciência está lá, a tecnologia ainda não suficientemente. O carro a hidrogénio, o avião a hidrogénio, tudo a hidrogénio, ainda fica demasiado caro, porque a tecnologia ainda não está madura, mas vai estar em cinco ou 10 anos. A solução vem aí e não será a pilhas”.

Questionado sobre a intenção portuguesa de explorar os seus recursos do metal alcalino, Poças Martins considera que “usar lítio, desde que em sítios onde não tenha impactos sociais e ambientais, sim”.

“Estar a destruir montanhas inteiras, a deslocalizar pessoas, para tirar uma quantidade de lítio pequena, para uso privado, menos”, prosseguiu.

Joaquim Poças Martins é licenciado em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, e doutorado pela Universidade de Newcastle, em Inglaterra.

Fonte: Agência Lusa

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker