RibatejoVilafranca de Xira

Feira de Vila Franca de Xira arranca esta sexta-feira com oito largadas de toiros nas ruas

Certame tem programa para 17 dias e lotações limitadas no recinto da feira e no salão de artesanato. Comportamento sanitário do público das largadas é a grande incógnita.

Depois do cancelamento da edição de 2020, forçado pela pandemia, a Feira Anual de Vila Franca de Xira regressa, esta sexta-feira, com um programa reforçado, mas sujeito ainda a um plano de contingência articulado com as autoridades de saúde. Será uma das primeiras grandes feiras a retomar o seu funcionamento no país e, sobretudo, a primeira a recuperar as tradicionais esperas e largadas de toiros nas ruas, que costumam atrair muitos milhares de assistentes.

A Câmara de Vila Franca de Xira, responsável pela organização, apela à utilização de máscaras e que se evitem grandes aglomerados, mas não haverá qualquer tipo de controle de acessos nas largadas. Está previsto, no entanto, que elementos ligados à organização percorram todo orecinto (duas ruas e um largo com cerca de 900 metros de extensão) onde, tradicionalmente, decorrem as largadas, “fiscalizando” o cumprimento destas recomendações. Já no Parque Urbano do Cevadeiro, com mais de um hectare, estarão instalados 105 feirantes (incluindo 25 equipamentos de diversão) e a lotação máxima será de 2500 visitantes em simultâneo. Haverá um único ponto de entrada, onde todos os visitantes terão que apresentar certificado de vacinação ou teste negativo realizado nas últimas 72 horas. Nas zonas alimentares aplicar-se-ão as regras em vigor na restauração em geral. Neste mesmo complexo do Cevadeiro situa-se o pavilhão multiusos, onde decorre o 40º. Salão de Artesanato de Vila Franca, com cerca de 100 artesãos de todo o país. Neste espaço interior haverá uma lotação máxima de 100 visitantes em simultâneo.

A Câmara vila-franquense admite que se formem filas no acesso da feira, mas apela ao cumprimento das normas de distanciamento e sublinha que duplicou a duração normal do certame (de 10 para 17 dias), para que os interessados tenham mais oportunidades de visitar a feira. O dispositivo de segurança também será reforçado.

“Este período mais alargado de 17 dias permitirá que os visitantes tenham um calendário mais amplo de dias para poderem visitar a feira”, observa Alberto Mesquita, presidente da Câmara de Vila Franca de Xira, frisando que “vai ser uma feira anual com a mesma dimensão e grandeza das edições anteriores”.

O autarca do PS sustenta, todavia, que “é absolutamente essencial que todos os vila-franquenses e todos os que nos irão visitar o façam com responsabilidade e com respeito pelas regras estabelecidas e tendo comportamentos necessariamente cautelosos, para o bem de todos. Se todos colaborarem e respeitarem as indicações, esta Feira de Outubro e este Salão de Artesanato serão momentos de grande alegria e de confraternização”, acrescenta Alberto Mesquita, admitindo que o plano definido poderá ter alguns ajustes durante a feira, aliviando ou apertando as condicionantes existentes, de acordo com as normas nacionais e com avaliação que as autoridades de saúde façam dos comportamentos de todos os envolvidos.    

As largadas nas ruas (cinco toiros em simultâneo num percurso de 900 metros subdividido e vedado com tronqueiras) são uma das principais tradições da feira vila-franquense, mas também um dos aspectos mais sensíveis deste “regresso” da Feira Anual, até porque dificilmente haverá condições para controlar os acessos e os comportamentos. São momentos de diversão e de convívio e os autarcas locais reconhecem que já havia muita ansiedade dos aficionados, porque não se realizam largadas de toiros em Vila Franca desde Outubro de 2019 e estas manifestações da tauromaquia popular também têm estado “suspensas” em todo o Ribatejo devido à pandemia.

“A Câmara, como sempre dissemos, manteve-se muito atenta à evolução da pandemia da covid-19. Dado que por fim surgiu essa possibilidade, concluímos que já seria possível nesta altura a sua realização e estão reunidas as condições para organizarmos a feira, com regras que todos devem respeitar”, explica António Félix, vereador com o pelouro do turismo e responsável pela organização do certame, admitindo que “as esperas e largadas de toiros têm características muito próprias e são um dos aspectos mais sensíveis para a organização deste evento. Por outro lado, também consideramos que são uma componente essencial da festa e não fazia qualquer sentido não haver esperas e largadas na feira. Concluímos que a melhor forma de contribuir para a saúde e segurança de todos seria recriar as largadas entre o Largo da Estação e o Largo 5 de Outubro, como sempre aconteceu. Desta forma permite-se que as pessoas se distribuam por toda esta área, evitando a sua aglomeração, o que poderia acontecer num recinto mais reduzido”, conclui o autarca do PS.

Fonte: Público

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker