Ambiente

Dióxido de enxofre do vulcão de La Palma chega sexta-feira à costa mediterrânica

Segundo o sistema europeu de satélites Copernicus, o gás vai atingir a totalidade de Marrocos, bem como a Tunísia e a costa mediterrânica de Espanha, França, Itália, Argélia e Líbia, como mostra uma foto de satélite.

A erupção vulcânica em La Palma, nas Canárias, está a emitir uma elevada quantidade de dióxido de enxofre para a atmosfera, que deverá atingir sexta-feira boa parte do território de Espanha, bem como a costa mediterrânica, alertou esta quarta-feira fonte oficial.

Segundo o sistema europeu de satélites Copernicus, o gás vai atingir a totalidade de Marrocos, bem como a Tunísia e a costa mediterrânica de Espanha, França, Itália, Argélia e Líbia, como mostra uma foto de satélite partilhada no Twitter.

O dióxido de enxofre é um gás incolor, denso, não inflamável, bastante solúvel na água e é considerado tóxico e prejudicial tanto para a saúde humana como para o meio ambiente.

Na fotografia é visível a previsão da presença de dióxido de enxofre na atmosfera para a manhã da próxima sexta-feira, dia em que serão registados os níveis mais na costa atlântica marroquina e na mediterrânea espanhola, bem como no sul da Sardenha, no norte da Sicília e na costa tunisina. 

Em menor grau, o mapa também destaca a presença dessa substância na metade oriental da Espanha (incluindo cidades mais distantes como Valladolid), sul da França, costa oeste da Itália, ilha francesa da Córsega e toda a costa mediterrânea africana, além de amplas extensões de terra no interior de Marrocos, Argélia, Tunísia e Líbia.

“Além do fluxo de lava, o vulcão está a emitir uma grande quantidade de dióxido de enxofre na nossa atmosfera”, lê-se na mensagem do Copérnico no Twitter.

A União Europeia (UE) activou segunda-feira o sistema de satélite Copernicus para acompanhar a erupção vulcânica em La Palma e a Comissão Europeia (CE) já está em contacto com as autoridades espanholas para oferecer apoio adicional. 

Os principais dados usados para analisar a evolução no vulcão de La Palma são os fornecidos pelos satélites ‘Sentinel-1’, ‘Sentinel-2’ e ‘Sentinel-5P’, especialmente concebidos para a observação da Terra e para melhorar a prevenção, o monitoramento e a protecção da população e dos recursos em casos de desastres naturais e de emergências.

As informações prestadas pelos satélites são fundamentais para a implementação das acções dos serviços de protecção civil espanhóis. 

O programa espacial Copernicus é uma iniciativa conjunta da UE e da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla inglesa), estando, neste caso, a ser utilizados os serviços de vigilância do território e da atmosfera. 

Os serviços de território dão, periodicamente, informações sobre cartografia, em que os dados obtidos são monitorados para conhecer a deformação da superfície terrestre ou o estado das estradas. 

Já os serviços de atmosfera fornecem informações sobre as emissões produzidas pela erupção, como as de dióxido de enxofre.

Entretanto, o vice-reitor do Instituto Geomineiro da Espanha (IGME), Luis Somoza, citado pela agência noticiosa EFE, sublinhou esta quarta-feira que a entrada da lava no mar vai provocar uma nuvem vertical “densa e espectacular” de vapor de água, garantindo que, apesar de não ser tóxica, obrigará a aumentar o perímetro de segurança, evacuar as zonas mais afectadas e proibir a navegação.

Somoza considerou a entrada da lava no oceano Atlântico “um fenómeno espectacular” e adiantou que a dimensão da nuvem de vapor vertical dependerá de vários factores.

De qualquer forma, Somoza assegurou que a nuvem de vapor de água é inofensiva para a saúde, e alertou que as águas da costa oeste de La Palma irão ficar mais turvas uma vez que as cinzas da lava, ao entrarem em contacto com a água do mar, gerarem partículas vítreas que causam “um segmento de pluma” que flutua no mar e reduz a transparência. 

Outra consequência da chegada da lava ao mar, acrescentou o especialista, é o aumento da temperatura da água na área onde corre a lava, um fenómeno que, conforme relatado, afectará o ecossistema marinho da região e, sobretudo, prejudicará a pesca.

Somoza acrescentou, no entanto, que a actividade pesqueira levará “cerca de seis meses” a recuperar, à semelhança do que aconteceu na ilha de El Hierro, a ilha mais meridional das Canárias, quando o vulcão Teneguía entrou em erupção no meio do mar em Outubro de 2011 e a pesca foi interrompida.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) fixou esta quarta-feira limites mais rígidos para os principais poluentes atmosféricos, entre os quais partículas transportadas pelo ar, responsáveis por sete milhões de mortes prematuras por ano, principalmente nos países pobres.

É a primeira actualização das directrizes da OMS para a qualidade do ar desde 2005.

O volume de dados que mostram que a poluição atmosférica tem uma influência em diferentes aspectos da saúde aumentou consideravelmente desde aquele ano.

Por essa razão, a OMS baixou a quase totalidade dos limiares de referência que se referem sobretudo aos chamados poluentes clássicos: as partículas transportadas pelo ar, o ozono, o dióxido de nitrogénio, o dióxido de enxofre e o monóxido de carbono.

As novas directrizes não são juridicamente vinculativas, mas fornecem aos países um quadro para melhor protecção das suas populações.

O director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, exortou “todos os países e todos aqueles que lutam para proteger o ambiente a utilizá-las para reduzir o sofrimento e salvar vidas”, adiantou a AFP.

Pelo menos sete milhões de mortes prematuras, principalmente por doenças não transmissíveis, são atribuíveis aos efeitos conjuntos da poluição do ar atmosférico e da poluição do ar interior, de acordo com a OMS.

“A poluição do ar é uma ameaça à saúde em todos os países, mas afecta sobretudo as populações dos países mais pobres”, sublinhou o director-geral da OMS, referindo que estes países são cada vez mais confrontados com níveis crescentes de poluição atmosférica, alimentada pelo crescimento das cidades e desenvolvimento económico assente no uso de combustíveis fósseis.

Para o director regional da OMS para a Europa, Hans Henri Kluge, “o ar puro deve ser um direito humano fundamental e uma condição necessária à saúde e produtividade das sociedades”.

Com as alterações climáticas, a poluição do ar é, de acordo com o organismo das Nações Unidas, uma das principais ameaças ambientais para a saúde.

Entre as crianças, por exemplo, a poluição atmosférica pode comprometer o desenvolvimento dos pulmões, limitar a função pulmonar, provocar infecções respiratórias e agravar a asma. Já entre os adultos as cardiopatias isquémicas e os acidentes vasculares cerebrais são as causas mais frequentes de mortes prematuras atribuíveis à poluição atmosférica.

Dados mais recentes, refere a OMS, mostram que a poluição do ar pode também estar na origem da diabetes e de doenças neurodegenerativas.

Segundo um relatório intercalar da Agência Europeia do Ambiente, divulgado na terça-feira, a qualidade do ar em Portugal e na Europa melhorou de 2019 para 2020, possivelmente devido aos confinamentos durante a pandemia de covid-19, embora permaneçam sérios riscos para a saúde devido à poluição atmosférica.

Fonte: Público

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker