Salvaterra de MagosSaúde

Posto da GNR de Salvaterra abriu ao público sem ter sido desinfectado

O RIBATEJONEWS conseguiu apurar junto de fontes da própria Guarda Nacional Republicana (GNR) que "até agora os militares que fizeram o teste à Covid-19, não tiveram acesso aos resultados dos mesmos" e que "o posto de Salvaterra de Magos reabriu as portas no sábado, sem ter sido desinfectado." O processo de desinfecção teve lugar esta manhã.

Pelo que pudemos apurar, a primeira vez que o militar disse ao comandante do posto de Salvaterra de Magos que sentia os sintomas da Covid-19 foi na segunda feira 9 de Novembro. Na quinta feira dia 12, já depois de todos os colegas desse militar terem convivido com ele o comandante Fernando Simões continuou a desvalorizar a situação e não tomou nenhuma atitude. O importante era não fechar o posto nem alarmar a população.
Neste momento estão quatro militares em casa de quarentena mas ninguém consegue perceber quais foram os critérios para tomar essa decisão
Foto: José Peixe
Segundo o RIBATEJONEWS apurou, foi um companheiro desse militar que tinha sintomas e outros amigos que conseguiram marcar um teste rápido na clínica Elisabeth Barreto, feito na quinta feira dia 12 de Novembro e pago com o dinheiro do próprio militar.
Pelos menos 12 militares da GNR estiveram em contacto com esse colega infectado e sem qualquer protecção.
A nossa reportagem soube que a Delegada de Saúde de Salvaterra, Elena Nikolaevna Talantova “foi pressionada pelo comandante Fernando Simões para não fechar o posto e assim o comando da guarda ficar bem visto.”
Comandante forneceu os resultados aos militares pelo whasapp 
Foi através de uma mensagem enviada pelo “watsapp” pelo comandante Fernando Simões, que todos os militares ficaram a saber que tinham testado negativo à Covid-19 e que apenas 4 soldados iam ficar isolados nas suas residências.
“Mas o problema é que o posto reabriu no sábado sem que qualquer militar tivesse visto os resultados efectivos do teste. A população de Salvaterra deve saber que tanto o comando da GNR como a Delegada de Saúde cozinham os resultados a seu belo prazer!”, esclareceu a nossa fonte de informação.
Quais foram os critérios que existiram para que tivesse sido postos de quarentena esses quatro militares? Ninguém quis esclarecer.
Uma nota interna da ASPIG que importa ter em consideração 
A Associação Sócio – Profissional Independente da Guarda (ASPIG), volta a manifestar a sua preocupação com a forma como, no seio da Guarda, ainda se lida com a doença “COVID-19”, provocada pela infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2.
Apesar das recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS) e das normas internas, no que concerne aos procedimentos a adotar na prevenção do contágio pelo vírus que provoca a COVID-19, é, na opinião da ASPIG, inadmissível que -à revelia das referidas recomendações e procedimentos – na Guarda ocorram situações como a que se relata:
“No passado dia 12 de novembro, um militar em serviço no Posto Territorial de Salvaterra de Magos , Destacamento Territorial de Coruche, após ter recebido uma informação de que esteve em contacto com várias pessoas que acusaram positivo no teste ao Covid-19, ciente da gravidade da situação, informou, de imediato , o seu Comandante de Posto no sentido de serem tomadas as medidas adequadas, nomeadamente o seu isolamento. O Comandante de Posto, ao invés de tomar medidas, ordenou ao militar que continuasse a patrulha. O militar, com receio de estar infetado e infetar o efetivo do Posto, realizou, às suas expensas, o teste sendo o resultado do mesmo positivo.
Por outro lado:
Numa altura em que a pandemia atinge uma dimensão assustadora e que as medidas restritivas vão no sentido do isolamento e distanciamento entre pessoas;
Numa altura em que em várias valências da Guarda o teletrabalho é uma realidade, visando diminuir os contactos;
Numa altura em que – para fazer cumprir as medidas restritivas num estado de emergência – os elementos das forças de segurança precisam de maior disponibilidade e condições físicas/psicológicas para cumprir a missão geral da Guarda e as solicitações diárias no âmbito da pandemia.
Entende a ASPIG que as sucessivas operações STOP – implicando aglomerados de militares e a interação destes com os automobilistas – não só não contribuem para a diminuição do contágio como aumenta a sobrecarga de trabalho dos militares empenhados no serviço operacional.
Assim, a ASPIG apela ao CG que não permita que os procedimentos no combate à doença (COVID-19), na Guarda, ou que sobrecarreguem os militares fiquem ao livre arbítrio dos comandantes diretos.
A saúde e o bem-estar dos militares, não se compadece com a forma como cada Comandante/Chefe, direto, interpreta a realidade, no que respeita à atual pandemia e/ou ao cumprimento das missões.
Lisboa, 14 de Novembro de 2020
Com os melhores Cumprimentos
O Presidente da ASPIG
Rui Pereira
O início de uma história que merece ser recordada

Na passada sexta feira, pelas 18:23 horas, o ex-jornalista Nelson Silva Lopes, publicou na sua página do “facebook” que é seguida por quase 20 mil pessoas, publicava a seguinte notícia:

“POSTO DA GNR DE SALVATERRA ENCERRADO APÓS MILITAR TESTAR POSITIVO COM COVID 19

O Posto Territorial da GNR de Salvaterra de Magos está encerrado ao público com oito militares no seu interior após um guarda ter testado positivo ao Covid 19 na noite de quinta-feira. O infetado está em isolamento domiciliário e os colegas em isolamento no interior do posto.
Os militares fizeram testes e aguardam os resultados. A autoridade de saúde pública local ordenou a desinfeção das instalações e deu ordem de encerramento até segunda-feira. A reabertura irá depender do resultado dos testes.
A operacionalidade da área da GNR de Salvaterra de Magos está a ser garantida pelos postos de Marinhais e Benavente e outros postos estão em alerta para situações de emergência.”
Na sequência da notícia publicada por Nelson Silva Lopes, o comandante do posto da GNR de Salvaterra de Magos, Fernando Simões, ás 21horas, publicou o seguinte post na página do responsável máximo da Protecção Civil do concelho e presidente da Câmara Municipal, Hélder Manuel Esménio que passamos a transcrever na íntegra:
“Infelizmente mais cedo ou mais tarde, é uma situação que poderá bater à porta de qualquer um de nós.
Desta vez bateu à porta do nosso efetivo, e com isso vem a angústia dos militares, das famílias e da preocupação da população, em ver o seu Posto local encerrado.
A população pode ficar tranquila que a segurança de pessoas e bens estará sempre assegurada.
Aproveito para agradecer em nome da GNR de Salvaterra por todas as mensagens de apoio que têm vindo de várias pessoas e também quero deixar agradecer à proteção civil na pessoas do Sr Presidente

Helder Manuel Esménio, vereadores Noel Caneira, Helena Neves e presidente da JF,Manuel Bolieiro, pela ajuda que nos têm dado neste momento mais complicado, que estou certo que rapidamente será ultrapassado.”
O profissionalismo e a competência do responsável máximo da Protecção Civil de Salvaterra de Magos deixa muito a desejar
Foto: José Peixe
Uma mentira descarada do responsável da Protecção Civil de Salvaterra
Utilizando a sua página pessoal do “facebook” para passar informações sobre a pandemia da Covid-19 no concelho de Salvaterra de Magos, no início da tarde de sábado, Hélder Manuel Esménio publicou o seguinte:
– Todos os testes feitos aos militares da GNR de Salvaterra de Magos, onde surgiu um caso activo, deram negativos, com excepção de um que deu inconclusivo. Por esta razão o Posto vai retomar a sua actividade normal, ficando apenas em vigilância em suas casas os militares que foram contactos mais próximos da pessoa doente.”
O que na realidade não corresponde à realidade, uma vez que a nossa fonte da GNR afiança que “até ao momento ainda nenhum dos militares que fizeram os testes tiveram oportunidade de ver os resultados dos mesmos.”
Esta manhã tivemos a oportunidade de ver uma equipa a desinfectar o posto da GNR de Salvaterra de Magos, mas nada disto mereceu relevo por parte de Hélder Manuel Esmenio, como é fácil de observar no que publicou na sua página do “facebook” às 14:30 de hoje:
Concelho de Salvaterra de Magos – ponto da situação Covid-19.
“- As equipas do Município continuam a fazer obra, no caso a requalificar o espaço a tardoz do Mercado Diário de Salvaterra de Magos, na zona da Peteja.
– 15/11/2020 – Temos 103 casos confirmados activos (pessoas doentes, menos 2 casos que ontem) e 208 concidadãos em vigilância activa. Passamos a ter 87 pessoas curadas (mais 4 que ontem).
Temos todos o dever de nos proteger e de protegermos os outros, não esquecendo nunca as Normas da DGS, como o uso de máscara, o distanciamento físico e a higienização das mãos.”
Ou seja, mais importante do que a pandemia da Covid-19 o que importa é propagandear as obras que o município tem a obrigação de fazer.
José Peixe – Jornalista (C.P 552A) | Editor do RibatejoNews
Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close