Benavente

Benavente: concelhia socialista pronunciou-se sobre a polémica que envolve a etnia cigana

No seguimento do sucedido na última Assembleia Municipal de Benavente e da reunião entre a Junta de Freguesia de Benavente, a GNR e os munícipes, sobre a agressão de um comerciante por alguns ciganos que vivem no concelho, o Secretariado do Partido Socialista de Benavente tomou posição através do comunicado que divulgou pelos órgãos de comunicação social. 

“O Secretariado da Concelhia do PS de Benavente repudia as recentes agressões que ocorreram em Benavente e que tiveram como alvo um empresário da restauração, tal como repudia todo e qualquer ato violento da parte de maiorias, minorias ou indivíduos, de qualquer raça ou credo e entende que este caso de agressão é um caso para a GNR, mas não, um caso de falta de GNR”, esclarece o comunicado assinado pelo presidente da concelhia socialista de Benavente, António Rabaça Ribeiro.

Atendendo à pertinência deste assunto polémico existente no concelho de Benavente, o “RibatejoNews” optou por transcrever o comunicado dos socialistas benaventenses na íntegra:

“Na raíz deste problema está a impunidade de que gozam alguns indivíduos no Concelho de Benavente, ao não respeitarem regulamentos camarários (Reg. 885/2015 e Reg. Recolha de Veículos Abandonados), a lei do ruído com música aos berros a altas horas da noite, a ocupação indevida do espaço público com festas e grelhadores a carvão, a utilização de sinais de trânsito para estender
roupa, entre outros.

Ninguém vê isto, ninguém atua, a fiscalização da Câmara de Benavente ou é inexistente ou não reage e por isto, a sensação de impunidade passa a ser uma certeza, com a violação reiterada do Art.o 44 do Regulamento de Ambiente da Câmara Municipal de Benavente.

Na base deste problema estão longos anos de inação das autoridades locais, dos Executivos da Câmara Municipal e das Juntas de Freguesia, que sempre discriminaram positivamente certas minorias em relação à maioria dos Munícipes, não conseguindo por isso que houvesse uma integração plena destas minorias, na comunidade local.

Para além da sua lastimável falta de atuação, a Câmara Municipal de Benavente ao rejeitar a transferência de competências previstas na Lei 50/2018 não pode desde já, criar um corpo de Polícia Municipal que zele pelo cumprimento dos Regulamentos Municipais, que fiscalize o trânsito, obras e outras transgressões e deixe a GNR liberta para uma resposta eficaz às situações criminais.

E a tentativa da Junta de Freguesia de Benavente para promover um debate sobre este assunto, com a população e a GNR, é mais uma ação gorada que tinha como intuito desviar as atenções do verdadeiro e único responsável por toda a situação: o Executivo da Câmara Municipal de Benavente.

O Executivo da Câmara Municipal de Benavente deve explicações a todos os Munícipes: queremos saber quanto a Câmara gasta por mês com os apoios a esta comunidade e o que lhes disponibilizou quando aceitou que se fixassem no Município.

Ao Partido Socialista de Benavente nada mais resta neste momento, do que denunciar estas situações e informar em primeira mão, que a primeira medida do seu programa eleitoral para as Autárquicas de 2021-2025, será a criação de um corpo de Polícia Municipal em Benavente.”

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close