Ciência

Coronavírus: menos um milhão de toneladas de CO2 por dia

A queda na procura do petróleo, o abrandamento no consumo de carvão e a suspensão de milhares de voos fazem com que se registe uma redução de emissões de CO2 calculada em 9,6 milhões de toneladas.

O mundo está a emitir menos um milhão de toneladas de dióxido de carbono por dia com a quebra no consumo de petróleo devido à pandemia de covid-19, segundo dados compilados pela agência Lusa com base em relatórios internacionais.

A Agência Internacional de Energia (AIE) divulgou esta semana um relatório que indica que a procura global de petróleo deve contrair-se este ano pela primeira vez desde 2009, devido à covid-19. Estão em causa menos 90.000 barris de petróleo por dia em relação ao ano passado, não ultrapassando os 99,9 milhões de barris por dia.

Transpondo a quebra no consumo de petróleo para as emissões de dióxido de carbono (CO2) no primeiro trimestre, houve uma redução de emissões calculada em 9,6 milhões de toneladas, o equivalente a menos 1,4 vezes as emissões de Portugal em 2017.

Juntando a redução na procura de petróleo e o abrandamento do consumo de carvão, com base em números divulgados pelo portal especializado Carbon Brief, as estimativas indicam que as emissões mundiais de CO2 podem reduzir-se este ano em cerca de 7%, um valor próximo do que o planeta devia atingir em 2020 com os esforços dos países para cumprir o Acordo de Paris sobre alterações climáticas.

O presidente da associação ambientalista Zero, Francisco Ferreira, disse à agência Lusa que a redução no consumo de petróleo é muito baixa e lembrou que “é precisa uma redução de 7,6%” em cada ano.

Nestes primeiros meses do ano o consumo de carvão nas fábricas caiu 36%, e a produção de carvão caiu 29%, tendo a capacidade de refinar petróleo sido reduzida em 34%.

Segundo o site Carbon Brief, as medidas da China para conter o novo coronavírus levaram a uma redução de entre 15% e 40% da produção nos principais sectores industriais. Com a redução na produção de carvão da China mais a redução na venda de barris de petróleo, a quebra das emissões de CO2 será acima de 6% no final do ano.

A aviação, responsável por cerca de 2% das emissões globais de CO2, é um dos lados mais visíveis das consequências do coronavírus, com milhares de ligações anuladas. Só em Portugal, a TAP anunciou o cancelamento de 2500 voos.

Os Estados Unidos anunciaram a suspensão das ligações aéreas com a Europa. O impacto da covid-19 está estimado entre 63 e 100 mil milhões de dólares, segundo a Associação Internacional de Transportes Aéreos.

Na crise financeira de 2008/2009 também houve uma grande queda, mas depois da crise vieram as medidas dos governos para estimular as economias e voltaram em força as emissões de CO2. A evolução positiva da China pode indicar que a “crise” da covid-19 será mais curta do que a crise de 2008/2009, e que as emissões vão voltar aos níveis habituais.

Fonte: Público

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close