Salvaterra de Magos

Granho: Central Fotovoltaica deu emprego apenas a cinco trabalhadores do concelho de Salvaterra

O RibatejoNews sabe que mais de uma centena cidadãos desempregados enviaram os seus currículos para a empresa de trabalhos temporários "Multitempo", com sede no Barreiro para trabalharem na Central Fotovoltaica do Granho. Mas apenas cinco pessoas do concelho de Salvaterra foram chamados para trabalhar. A empresa subempreiteira Ibérica Renovables, Lda optou por recorrer à mão de obra barata da Índia e do Paquistão.

Segundo o RibatejoNews conseguiu apurar, a Irfv – Ibérica Renovables, Lda, com o número contribuinte 515659886, com sede na Avenida Duque de Ávila, n.º 141 – 1.º Dt.º, Lisboa – Subempreiteiro da Central Fotovoltaica do Granho, não tem alvará para trabalhar em Portugal.

Apenas cinco trabalhadores do concelho de Salvaterra de Magos trabalham na Central Fotovoltaica do Granho
Foto: J.P/D.R

Nas pesquisas que efectuamos no Instituto dos Mercados Públicos do Imobiliário e da Construção (entidade que atribui os alvarás de empreiteiro e de obras particulares), percebe-se claramente que não existe nenhum alvará para executar a obra que emprega mais de meia centena de trabalhadores indianos e paquistaneses sem o mínimo de regalias.

Na Central Fotovoltaica do Granho, trabalham apenas cinco trabalhadores naturais do concelho de Salvaterra de Magos.

“Eu e outros amigos do Granho enviamos vários emails para a Multitempo e para a Ibérica Renovables e até hoje nem sequer merecemos uma resposta. Eles querem é pessoas da Índia e do Paquistão que trabalham de forma escrava e sem nenhumas regalias. Mas os inspectores do trabalho fecham os olhos a esta situação. É o que temos!”, afirmou ao RibatejoNews um residente do Granho que solicitou o anonimato.

“O concelho de Salvaterra de Magos tem muitos trabalhadores disponíveis e desempregados, mas apenas 5 pessoas foram chamadas porque sei que o presidente da União de Freguesias do Granho e Glória do Ribatejo, João Benavente, intercedeu directamente junto do responsável da Ibérica Renovables Lda, porque senão nem esses estariam lá”, desabafou à nossa reportagem esse habitante do Granho.

O dono da obra da Central de Painéis Solares do Granho que está a ser construída é a EXUS Management Partners. O empreiteiro geral é a EFACEC. E a empresa subempreiteira é Irfv – Ibérica Renovables, Lda, com sede em Lisboa e que segundo pudemos apurar nem sequer tem alvará.

O RibatejoNews também teve acesso a uma denúncia que foi feita para a Presidência da República sobre esta Central Fotovoltaica do Granho e que passamos a transcrever na íntegra:

«Está a ser construído um parque solar com um investimento de 50 a 60 milhões de euros no Concelho de Salvaterra de Magos do Promotor EXUS, cujo o empreiteiro geral é a EFACEC:

Venho tristemente informar que os organismos estatais não funcionam, é o caso do INCI e do ACT de Santarém na pessoas da A Diretora do CLLMT, Teresa Cardoso, isto porque foram denunciada empresa que não têm alvará para trabalhar, estão ilegais face à legislação em vigor em Portugal e a impunidade reina.

O caso concreto é de uma empresa Iberica Renovables, subempreiteiro da EFACEC que tem 40 a 50 indianos e que lhes paga 300 euros, mas que até estão declarados como recebendo o ordenado mínimo , mas é tudo fachada e que não tem alvará para trabalhar.»

Município de Salvaterra rejubila com centrais fotovoltaicas

A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos anunciou na segunda-feira passada em vários órgãos de comunicação ribatejanos, a viabilização do projecto de instalação de uma central fotovoltaica, em Marinhais, que se soma a uma que está a ser construída na freguesia do Granho.

Segundo a informação do município salvaterrense uma das centrais terá uma potência de 25Mw, “o que permitirá uma produção de energia de 53 GWh por ano, passando o concelho de Salvaterra de Magos a ser “exportador” de energia, uma vez que cada instalação produz o equivalente a 75% do consumo verificado no concelho”.

A empresa Irfv – Ibérica Renovables com sede em Lisboa não tem alvará para executar a obra
Foto: J.P/D.R

A central fotovoltaica de Marinhais, ora licenciada, deverá estar concluída no decurso do corrente ano e assegurará ainda a possibilidade de as escolas e a comunidade local poderem realizar visitas de estudo à unidade, durante as quais serão distribuídos folhetos informativos e de sensibilização ambiental.

O Presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, Hélder Manuel Esménio, congratula-se com os projectos, “uma vez que estes encaixam na estratégica municipal de combate às alterações climáticas e incremento da eficiência energética – e da qual faz parte, entre outras medidas, a adopção de tecnologia led para a iluminação e edifícios públicos municipais – sendo que estas centrais vão contribuir, quando entrarem em funcionamento, para a redução de 40 mil toneladas de emissões de CO2 por ano“.

Mas importa ter em consideração o que é feito em outras centrais fotovoltaicas que foram construídas em vários concelhos portugueses: arranjar trabalho para o maior número de pessoas desempregadas que existem no concelho de Salvaterra de Magos. E isso foi ignorado na Central Fotovoltaica do Granho.

Reportagem: José Peixe – Jornalista (Texto e Fotos

Mostrar mais

Related Articles

Um comentário

  1. Triste mesmo é termos o executivo que governa este concelho, um dos menos desenvolvidos de Portugal, ao dizer publicamente que é grande investimento para o concelho para criar 4 postos de trabalho num universo de 100 postos e criar um mamarracho. Devia era aceitar e fazer todos os esforços para ficar no concelho as estufas que estão na Fajarda que dão de comer a 30 famílias, isso é que era de valor , o resto é treta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close