AmbienteCiênciaRibatejo

Aquecimento Global: os Verões vão ser mais extremos e haverá impactos significativos na agricultura

No “Público” de hoje, a jornalista Teresa Sofia Serafim escreve um artigo muito importante sobre as alterações climatéricas que estão a deixar a humanidade completamente descontrolada. “Se o mundo aquecer dois graus, os Verões serão mais extremos”, escreve Teresa Serafim.

“O aumento da duração dos fenómenos meteorológicos extremos no Verão poderá levar a impactos significativos na agricultura, na saúde e na economia”, alerta um estudo desenvolvido por vários cientistas.

Afinal, não nos esperam apenas Verões com fenómenos meteorológicos extremos mais intensos e frequentes, mas também mais duradouros. De acordo com um estudo publicado esta segunda-feira na revista Nature Climate Change, se a temperatura média global do planeta aumentar dois graus Celsius face aos níveis pré-industriais, ondas de calor, secas e períodos de chuvas no Verão poderão ser mais longos na Europa, na América do Norte e em algumas partes da Ásia. Mas ainda se pode evitar grande parte desta situação se se limitar o aquecimento global nos 1,5 graus Celsius.

Ao longo deste estudo, uma equipa de investigadores da Alemanha, Holanda, Reino Unido e Estados Unidos comparou projecções de diferentes modelos climáticos. Depois, partiram do aumento de cerca de um grau Celsius da temperatura média global (GMT) face aos níveis pré-industriais e criaram dois cenários futuros: num a GMT subiria 1,5 graus relativamente aos níveis pré-industriais, e no outro aumentaria dois graus.

Neste estudo, Portugal integra a região Mediterrânea (não foi feita uma análise por país), onde se verifica uma diminuição do índice padronizado de precipitação nos três meses anteriores, um decréscimo da faixa onde ocorrem tempestades e um aumento da aridez dos solos, o que “provavelmente contribui para um aumento de uma seca persistente”, segundo o artigo científico. Também Carl-Friedrich Schleussner, do Climate Analytics e um dos autores do artigo, destaca ao PÚBLICO o “aumento da duração do calor e dos períodos de seca” em Portugal.

Fonte: Jornal “Público”

 

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close