Actualidade

Greve dos motoristas de matérias perigosas vai continuar. “Nós somos rijos como os cornos!”

Contrariamente ao que o Governo tinha planeado, o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) não admite que está isolado e continua em greve até que os chamem prosseguir com as negociações. “Os trabalhadores estão mobilizados, continuam a acreditar e não se deixem vergar, estamos aqui duros como o aço”, disse esta manhã o presidente do sindicato, Francisco São Bento, em Aveiras de Cima.

Alguns motoristas do piquete de greve optaram por rectificar a sua dureza: “Não é como o aço. Nós somos rijos como os cornos!”. Uma exclamação que foi muito utilizada na greve do dia 15 de Abril que paralisou o país e apanhou o Governo de António Costa desprevenido.

Francisco São Bento voltou a apelar aos responsáveis da Associação Nacional de Transportadores de Mercadorias (ANTRAM) para negociar durante a greve recordando o seguinte: “Não é a primeira vez nem será a última que se fazem negociações durante o decorrer de greves”.

Segundo o jornalista do “Público”, Pedro Ferreira Esteves, neste momento existem “cinco incógnitas que marcam o quinto dia da greve” dos motoristas de matérias perigosas.

Em relação à desistência do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), Francisco São Bento esclareceu que “não estamos isolados de modo nenhum. Nós iniciámos um processo negocial conjunto, ainda não tivemos contacto directo com os dirigentes do SIMM que devem estar a descansar, mas vamos falar com eles e vamos reagir a isso”.

Mas quanto aos motoristas de matérias perigosas a situação é bem clara: “Vamos continuar a greve até que se chegue a uma conclusão. Nem que isso dure um mês, seis meses, um ano, seja o tempo que for!”, afirmou o presidente do SNMMP.

Sobre o facto de o assessor do SNMMP, Pedro Pardal Henriques não estar esta manhã em Aveiras e desde ontem à noite não ser ele a prestar declarações à imprensa como tem feito até aqui, Francisco São Bento explicou que “o Pedro Pardal Henriques tem a sua vida para fazer, teve de ir ao escritório, mas não está a fugir da comunicação social, também está a fazer contactos. O que se passa aqui não é a vida do Pedro Pardal Henriques, é a vida dos 900 trabalhadores que querem continuar a lutar pelos seus direitos”.

O Governo e a ANTRAM têm feito todos os esforços para isolar o assessor jurídico do ANMMP, Pedro Pardal Henriques, mas isso poderá não resultar. Segundo alguns analistas a imagem do advogado poderá sair ainda mais reforçada à medida que a greve continua activa.

José Peixe – Jornalista

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker