ActualidadeEconomiaReportagem

Governo quer assegurar que abastecimento seja retomado “o mais rapidamente possível”

O Governo esteve reunido com responsáveis do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) para tentar pôr fim à greve dos motoristas. À saída da reunião, Gustavo Paulo Duarte, Presidente da ANTRAM, garantiu que a greve continua com uma “base de entendimento sobre quais serão os serviços mínimos nos próximos dias”.

Os ministros da Administração Interna e do Ambiente e da Transição Energética declararam a “situação de alerta” devido à greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, implementando medidas excepcionais para garantir os abastecimentos.

O Governo quer assegurar que as operações de abastecimento de combustível sejam retomadas “o mais rapidamente possível” e apela para a colaboração dos motoristas de matérias perigosas que se encontram em greve, disse hoje o ministro da Economia.

“Neste momento, pode haver alguma comoção e alguma intranquilidade, mas temos de assegurar que as condições de abastecimento se retomam da forma mais prudente possível”, declarou Pedro Siza Vieira, à margem de uma audição na Assembleia da República, em Lisboa.

Os camionistas especializados no transporte de matérias perigosas prometem continuar a greve por tempo indeterminado caso as suas reivindicações não sejam atendidas
Foto: José Peixe – D.R

Os partidos da oposição PSD e CDS exigem uma solução rápida ao Governo, uma vez que esta greve está a afectar muitas empresas e a economia portuguesa.

Assegurando que o direito à greve “é integralmente respeitado”, o titular da pasta da Economia disse que os trabalhadores em greve, “nos termos da lei, estão obrigados ao cumprimento dos serviços mínimos, ao cumprimento da requisição civil e, agora, às obrigações que decorrem da declaração de alerta”.

“Tentamos acompanhar esta situação e desencadear os mecanismos necessários para que, na ausência de respeito pela requisição civil, pudéssemos ter respostas adequadas à reposição de uma situação que, ainda que não seja de normalidade, permita assegurar os serviços mínimos”, adiantou Siza Vieira.

Por isso, acrescentou, o ministro da Administração Interna e o ministro do Ambiente e da Transição Energética assinaram uma declaração de alerta, no âmbito da Lei de Bases da Protecção Civil, que determina uma situação de crise energética.

De acordo com o ministro Adjunto e da Economia, esta declaração mobiliza todos os agentes da Protecção Civil para colaborar no exercício das operações que se mostrem necessárias para restabelecer o abastecimento das infraestruturas críticas e dos postos de abastecimento.

Além disso, a declaração de alerta de situação de crise energética “habilita todos os condutores de veículos pesados a assegurarem o transporte destas mercadorias, coloca-os à disponibilidade das autoridade de Protecção Civil para esse efeito, obrigando-os a corresponderem a essa disponibilidade, e, também, permite salvaguardar as prioridades em matéria de abastecimento de combustível a forças de emergência, de segurança e a gerir melhor a disponibilidade de combustível nos postos de abastecimento”.

Em relação às reservas de segurança de material combustível, Siza Vieira garantiu que “estão integralmente respeitadas, ou seja, o país tem combustível armazenado para poder funcionar”, reforçando que o problema é a movimentação desse combustível.

A polícia de intervenção escoltou os oito camiões que levaram o combustível até ao aeroporto de Lisboa
Foto: José Peixe – D.R

“Neste momento, já temos os instrumentos necessários para assegurar que outros meios são convocados para o exercício das operações de transporte e de trasfega de combustível. (…) Apesar do exercício do direito à greve, conseguimos assegurar o cumprimento das necessidades mínimas de infraestruturas críticas”, garantiu o ministro.

Sobre o impacto desta paralisação, o titular da pasta da Economia disse não existir notícia, neste momento, que esteja a haver interrupção das operações aéreas, generalizadamente.

“Os movimentos aéreos estão a continuar a verificar-se e operações de contingência para assegurar o abastecimento das aeronaves continuam a processar-se. Não temos notícia de cancelamento de aeronaves, salvo alguns casos pontuais por outras razões que não, necessariamente, a falta de combustível”, referiu.

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00:00 de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) aceita negociar com o sindicato dos motoristas de matérias perigosas, em greve desde segunda-feira, desde que os serviços mínimos decretados pelo Governo sejam respeitados.

Fonte: Sapo24 Notícias e José Peixe em Aveiras de Cima

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker