Mundo

Chefes de diplomacia da União Europeia voltam a discutir situação na Venezuela

A Venezuela volta a constar da agenda dos chefes de diplomacia da União Europeia, que, no Conselho de Negócios Estrangeiros desta segunda-feira, no Luxemburgo, discutirão os mais recentes desenvolvimentos na crise política e humanitária no país.

Esta nova discussão, que terá lugar durante um almoço informal de trabalho dos chefes europeus de diplomacia – entre os quais o ministro Augusto Santos Silva -, focar-se-á nos resultados da segunda reunião do Grupo de Contacto Internacional para a Venezuela, que se realizou em Quito, em 28 de Março passado, assim como nos últimos “episódios” de uma crise que se arrasta, e para a qual a UE reclama uma solução política, e jamais militar.

Um dos assuntos a discutir será o da possível extensão do mandato (de 90 dias) do Grupo de Contacto Internacional, do qual Portugal faz parte, uma vez que falta sensivelmente um mês para terminar, e porque foram escassos os progressos em busca de uma solução política – designadamente a realização de eleições presidenciais livres e justas, como reclama a UE.

A UE deverá também reiterar a sua firme oposição a qualquer intervenção militar, cenário que é para já também afastado pelo próprio líder da oposição ao regime de Nicolas Maduro, o auto-proclamado Presidente interino, Juan Guaidó.

No sábado, a Venezuela voltou a ser palco de múltiplas manifestações, umas a favor do regime de Nicolás Maduro, outras a favor de Guaidó, tendo nestas voltado a registar-se incidentes violentos, com dezenas de manifestantes feridos pelas forças militares.

Dirigindo-se a milhares de simpatizantes em Caracas, Guaidó afirmou que “é prematura” uma eventual autorização a missões militares estrangeiras no país, para acelerar uma mudança de regime, e instou os venezuelanos a permanecerem nas ruas até conseguirem a liberdade.

A Venezuela atravessa uma nova fase de tensão política desde Janeiro, quando o presidente Nicolás Maduro assumiu um novo mandato de seis anos, que não é reconhecido pela oposição e por parte da comunidade internacional. Em resposta, o líder do Parlamento, Juan Guaidó, proclamou um governo interino apoiado por mais de 50 países.

Além da Venezuela, que há muito consta da agenda das reuniões dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, os 28 vão discutir a situação no Afeganistão e a Parceria Oriental.

Fonte: Agências e Sapo24

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close