Actualidade

Moçambique: maternidade da Cruz Vermelha Portuguesa já chegou à Beira

O escritor moçambicano Mia Couto já tinham deixado bem claro que a situação no seu país é “Apocalíptica”. Mas a solidariedade internacional não abranda. E todos os dias chegam várias toneladas de comida, medicamentos, tendas e voluntários dispostos a dar o seu melhor no terreno.

Um avião fretado pela Cruz Vermelha Portuguesa saiu ontem ao final do dia de Lisboa com destino à cidade da  a Beira – Moçambique. A aeronave transportou uma maternidade para dar assistência aos 45 mil partos previstos para as “próximas semanas”, disse o presidente da organização humanitária, Francisco George, em Lisboa.

O avião fretado pela Cruz Vermelha Portuguesa saiu às 20 horas do aeroporto militar de Figo Maduro. Este será o primeiro voo totalmente dirigido para a protecção materno-infantil, salientou Francisco George, explicando que “há muitas gravidezes e partos antecipados devido ao stresse” provocado pela passagem do ciclone Idai em Moçambique.

No Boeing 767 seguiram, além de uma enfermeira parteira, um bloco de parto, equipamentos para ecografias, e marquesas, bem como 1.500 quilos de ´kites´ de parto, com panos, tesouras descartáveis, molas de umbigo para os recém-nascidos, luvas e viseiras.

A Cruz Vermelha leva também, segundo Francisco George, simuladores de partos para formação de parteiras e adolescentes, artigos de puericultura, e “cinco dúzias de pasteis de nata para a equipa que lá se encontra”.

“Foi o que nos pediram”, disse o responsável.

Mas pelos vistos ninguém tem certezas quanto ao futuro da cidade da Beira. Basta ter em atenção esta reportagem publicada no jornal “Público”.

No total são 33 toneladas de material que foram ontem carregadas no aeroporto de Figo Maduro por 70 voluntários.

“Portugal está a por ao serviço de Moçambique o que tem de melhor”, garantiu o presidente da Cruz Vermelha, acrescentando que “já houve um tempo em que a cooperação portuguesa era frágil e falhou”, porque havia “demasiados interesses”, mas “este tempo é diferente”.

Francisco George salientou que a Cruz Vermelha é “exigente no destino do que leva”, porque tem de se responsabilizar perante os portugueses que já deram quase dois milhões de euros de donativos.

Portugal é um países que mais tem ajudado nesta crise humanitária que se abateu sobre Moçambique
Foto.: D.R

“Conseguimos ultrapassar a barreira psicológica que se criou depois de Pedrógão. Temos noção do ambiente de hostilidade que foi criado, e estamos aqui para dizer que nos responsabilizamos”, disse o médico aos jornalistas que também integram o voo.

No avião, além de Francisco George e da enfermeira, viajaram também Henrique Soares dos Santos, filho de Alexandre Soares dos Santos, o patrão da Jerónimo Martins, que financiou os 220 mil euros que custa o voo.

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, foi ao aeroporto despedir-se da equipa e manifestou “a sua solidariedade e apoio às populações, mulheres e crianças, que sofrem as consequências devastadoras da terrível intempérie”.

Francisco Jorge estima que a Operação Embondeiro – que a Cruz Vermelha está a desenvolver com os Médicos do Mundo – se prolongue no mínimo até ao final do ano.

O Governo de Moçambique tem agradecido toda a ajuda dada pela Cruz Vermelha Portuguesa
Foto: D.R

Subiu para 501 o número de mortos provocados pelo desastre natural de 14 de Março em Moçambique, segundo as autoridades moçambicanas.

O número de feridos manteve-se em 1.523, mas o total de pessoas afectadas subiu para 843.723.

O total de desalojados em centros de acolhimento mantém-se em 140.784, assim como o número de famílias beneficiárias de assistência humanitária: 29.098.

O número de casas totalmente destruídas ascende a 56.095 (com outras 28.129 parcialmente danificadas), sendo que a maioria são habitações de construção precária.

O ciclone Idai atingiu a região centro de Moçambique, o Maláui e o Zimbabué em 14 de Março.

Além de ter provocado pelo menos 816 mortos no total, a passagem do ciclone Idai em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui afetou 2,9 milhões de pessoas, segundo dados das agências das Nações Unidas.

A região enfrenta agora o perigo de fome e epidemias, com 271 casos de cólera já registados na cidade da Beira.

A Organização das Nações Unidas (ONU) inicia na quarta-feira um programa de vacinação oral contra a cólera, de 900 mil unidades.

A agência da ONU para a Alimentação e Agricultura (FAO) calcula que sejam necessários 19 milhões de dólares (16,9 milhões de euros) durante os próximos três meses para ajudar os mais afectados pelo ciclone em Moçambique.

Os números da FAO apontam para que cerca de 400 mil hectares de cultivo tenham sido c, essencialmente de milho e sorgo, nas províncias centrais de Manica e Sofala, poucos meses antes do período de colheitas.

Fontes: Agência Lusa e Sapo24 Notícias

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker